Como tratar os resíduos de obra?

Entulhos de construção

A construção civil é a atividade que mais gera resíduos, tanto no Brasil quanto em outros países. Reformas geram, em média, 684 kg de entulhos por m² de obra, enquanto construções novas geram 97,75 kg/m² de resíduos.

Os responsáveis por empreendimentos de construção ou reforma devem ter como objetivo, sempre que possível, evitar a geração de resíduos de obra, e, quando não for possível, deve-se focar na redução, reutilização e reciclagem destes.

O CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente – é o órgão do Ministério do Meio Ambiente responsável por regulamentar a destinação final de resíduos de obra da construção civil. A resolução nº 307 de 2002 (alterada pelas resoluções 348/2004, 431/2011, 448/2012 e 469/2015)  classifica os resíduos de obra em quatro categorias:

  • Classe A – resíduos reutilizáveis ou recicláveis, como solos provenientes de terraplanagem; componentes cerâmicos, como tijolos, pisos e telhas; argamassa e concreto;
  • Classe B – resíduos reutilizáveis ou recicláveis, tais como plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras, embalagens vazias de tintas imobiliárias e gesso;
  • Classe C – resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem ou recuperação, tais como lixas, resíduos de massa corrida, massa de vidro e outros;
  • Classe D – resíduos tóxicos, como tintas, solventes, óleos, telhas de amianto e outros produtos nocivos à saúde.

Entulho de obras

O que fazer com resíduos de obra?

A destinação dos entulhos é de responsabilidade de quem os gerou, e não pode ser atribuída a empresas de transporte e entulhos. Os resíduos de obra devem ter um destino final ambientalmente adequado, não podendo ser dispostos em aterros de resíduos sólidos urbanos, encostas, corpos d’água ou terrenos baldios.

Ainda de acordo com a resolução do CONAMA, os resíduos de obra de construção civil devem ter o seguinte destino após triagem:

  • Classe A – podem ser reutilizados na própria obra ou enviados para usinas de reciclagem, onde serão transformados em agregado – material granular beneficiado que possui características técnicas para a aplicação em obras de edificação. Também podem ser encaminhados a aterro especiais de resíduos classe A;
  • Classe B – devem ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário. O ideal é que já sejam separados por categoria no próprio canteiro de obras;
  • Classe C / Classe D – os resíduos não perigosos (Classe C) e perigosos (Classe D) devem ser armazenados, transportados e destinados à aterros especiais, e não podem ser usados para reciclagem. Saiba mais sobre o descarte de resíduos tóxicos.

 Caçambas

Reciclagem de Resíduos de Construção

Os resíduos de classe A devem ser recolhidos por uma empresa competente e destinados à reciclagem. A reciclagem para obtenção de granulado reciclado é um processo relativamente simples, e consiste nas seguintes etapas:

  • Primeiramente, os resíduos passam por um processo de trituração em uma britadeira;
  • Em seguida, ocorre a granulagem, que é a separação das frações feita por peneiras;
  • Assim, o material é separado em areia, brita, pedrisco, bica corrida e rachão, podendo ser comercializado como matéria-prima secundária.

Além de sustentável, o agregado reciclado é bastante competitivo no mercado de construção civil, já que seu custo é menor do que a matéria-prima natural. Seus custos de frete, normalmente, também são menores, já que as usinas de reciclagem estão mais próximas dos centros consumidores do que pedreiras ou portos de areia. A logística reversa também favorece essas usinas, que podem tanto receber entulho quanto vender agregado reciclado para a mesma obra.

Redução de resíduos

Além de dar um destino próprio aos resíduos de obra, centrando esforços na reutilização e reciclagem de resíduos, é ainda mais importante que os responsáveis foquem em ações que reduzam a quantidade de entulhos gerados em construções e reformas.

Com os produtos da linha de Pisos & Engenharia, da PlastPrime, é possível fazer escolhas que garantam a sustentabilidade da obra. Alguns desses produtos, como o Paver Plástico e o Deck Modular Plástico, são fabricados a partir da reciclagem de embalagens longa vida, garantindo que esses materiais sejam inseridos novamente no ciclo produtivo.

Além disso, os pisos produzidos pela PlastPrime, como o Piso Modular Esportivo, reduzem consideravelmente a quantidade de entulhos gerados na obra, tornando o seu empreendimento mais sustentável.

E você, como trata os seus resíduos de obra? Quais ações toma na redução, reutilização e reciclagem de resíduos? Conte pra gente nos comentários e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *