Ilhas de calor

Você já ouviu falar de ilhas de calor? Antes que você comece a imaginar que são locais perfeitos para suas férias, com praias paradisíacas e sol o ano todo… não é nada disso, muito pelo contrário!

 

Ilha de calor é o nome que se dá a um fenômeno climático que ocorre principalmente em cidades com alto grau de urbanização. Isso significa que a cidade é mais quente que as áreas rurais à sua volta. Isso se dá devido à alta concentração de asfalto e concreto, que ajudam a concentrar mais o calor e fazem com que a temperatura média e a umidade relativa do ar local sejam mais altas. Junte a isso a pouca quantidade de verde e a alta poluição do ar e pronto, aí está a receita para prejuízos pessoais e planetários.

 

Para as pessoas, o calor excessivo traz vários males. No começo vem apenas a sensação incômoda, mas depois, quando o corpo fica com temperatura muito elevada (o que se chama hipertermia), podem ocorrer câimbras, náuseas, vômitos, confusão mental e desidratação. Lembrando que, se o corpo humano ficar com temperatura acima dos 40° C, a pessoa começa a correr risco de morte. Já para nosso meio ambiente e para o planeta, as milhares de ilhas de calor espalhadas nas grandes cidades do mundo ajudam a aumentar ainda mais as consequências do aquecimento global.

 

Quais seriam, então, as soluções? Em primeiro lugar, aumentar a oferta de verde por habitante. A ONU recomenda pelo menos 12 m² (uma árvore), sendo o ideal 35 m² (cerca de três árvores). Estocolmo, na Suécia, é a referência mundial, com 86 m² de verde por pessoa. Em cidades como Curitiba (PR), uma das capitais mais arborizadas do mundo, essa proporção é de 64,5 m²/habitante. Mas no Brasil há muito o que avançar nesse sentido, pois muitos grandes centros têm menos árvores do que o necessário.

Além disso, também é preciso controlar a poluição atmosférica, diminuir os desperdícios, reciclar materiais e fazer cidades mais inteligentes, que priorizem áreas verdes, solos permeáveis e rios limpos.

 

A PlastPrime faz sua parte com seus produtos. A Estrutura Permeável para Confinamento e os Pavers Plásticos, por exemplo, são perfeitos para obras privadas e públicas em que é essencial fazer pisos resistentes a alto tráfego, mas mantendo a permeabilidade do solo. Além disso, diversos produtos da marca são fabricados com a utilização de materiais recicláveis, como garrafas PET e embalagens longa vida. Com essas práticas, a empresa é afiliada ao GBC Brasil, o Green Building Council, que atesta e certifica empresas que utilizem metodologias e técnicas sustentáveis na construção e na operação de grandes empreendimentos.

 

Portanto, quando o calor estiver demais na cidade, talvez seja o momento de você se perguntar: o que eu e minha comunidade estamos fazendo para diminuir os efeitos do superaquecimento?

 

Fontes: www.suapesquisa.com, g1.globo.comwww.gazetadopovo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *