Ao planejar uma construção, fique atento as mudanças climáticas.

Você já deve ter notado como o tempo está mudando. Às vezes, é possível se viver as quatro estações ao mesmo dia, pode até parecer cômico, mas na verdade está longe isso. As mudanças climáticas registradas nos últimos anos têm tido seus efeitos repercutidos em escala global, com a temperatura aumentando gradualmente ano após ano e com ela trazendo chuvas em excesso, ventos forte, umidade e raios.

Nas cidades, o risco de enchentes e os consequentes alagamentos são resultado de uma excessiva impermeabilização, com a construção de prédios, pavimentação das ruas e planejamento urbano ultrapassado. As chuvas de verão, que não tem hora marcada para chegar, têm provocado alagamentos, transbordo de rios, deslizamentos e o caos para a população.

Em outubro de 2018, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), criado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente) para sintetizar e divulgar informações científicas sobre as mudanças climáticas publicou um relatório sobre os impactos do aquecimento global de 1,5°C, concluindo que limitar o aquecimento global a 1,5°C exigiria mudanças rápidas, profundas e sem precedentes em todos os aspectos da sociedade. O relatório ainda aponta a necessidade urgente de se tomar medidas rápidas e de longo alcance na terra, energia, indústria, edifícios, transportes e cidades.

Soluções para aumentar a permeabilidade

Usando o conceito de sustentabilidade como benefício funcional, econômico e ambiental, a PlastPrime, empresa paranaense, propõe a utilização de produtos inteligentes para serem usados em casa, parques, jardins, estacionamentos, promovendo drenagem. O destaque fica para o PlastFloor, pavimento estrutural, permeável, resistente a cargas e ecologicamente correto que pode ser utilizado em diversos projetos. Seu formato alveolar possui 90% de área vazada na parte superior, o que permite a infiltração das águas diretamente para o solo e reduz significativamente o volume de escoamento superficial.

Com uma estrutura alveolar interligada e semiflexível, o material absorve e dissipa a força gerada sobre ele. A estrutura torna o solo resistente à compactação, mantendo alta sua taxa de permeabilidade.  O produto pode ser preenchido com grama, granilha, areia ou saibro e todas as opções permitem com que a água da chuva retorne ao lençol freático e assim continuar o seu ciclo.

Outro uso para o pavimento estrutural é na criação dos chamados telhados verdes e jardins verticais. Eles retêm a água da chuva, as plantas agradecem, que pode ser reaproveitada pela edificação, além de promover a diminuição da poluição do ar e das ondas de calor.

Mais uma solução sustentável é o Paver plástico, que possui pequenos furos em sua superfície, produto reciclável e permeável, que possibilita escoamento de água, evitando poças. Superprático, pode ser encaixado, tem alta durabilidade, pouco desperdício na hora de construir, o que ajuda na redução de custos. Pode ser usado na confecção de calçadas, pisos para estacionamentos, parques e jardins. O produto dá muitas alternativas para seu uso. O importante é que ele favorece o escoamento da água, afastado de vez as poças instaladas no mobiliário urbano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *